Seja bem-vindo! Seja bem-vinda!

Seja bem-vindo! Seja bem-vinda!
Bem vindo(s) , bem vinda (s) à comunidade Santo Daime Manaus. Tua presença nos engrandece! Volte sempre...

Seguidores

Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 13 de março de 2012

Hinário de São José

Local: Igreja Sol Nascente
Rua Caravelle.
Tarumã
Horário: 10 horas da manhã
Domingo dia 18.
Farda; branca
Hinário. pad Alfredo

ps: colaborem trazendo merenda (bolo, frutas sucos, refrigerante, sobremesa etc) para comemorarmos o aniversário do Sol Nascente.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Mensagem Reflexão


Quando a alma mergulhar na carne repleta de vibrações, desejou transmitir toda a musicalidade que conduzia virgem, e para que o tumulto do ambiente não lhe perturbasse a evocação, perdeu, paulatinamente os registros auditivos para somente escutar nas telas da mente os acordes sublimes da natureza e de Deus - e Beethowen ficou surdo.

Para expressar a melancolia suave e a pungente saudade de algo que não se pode identificar, Chopin experimentou a amargura do coração perdido entre desejos e decepções.

Destinado a ferir as cordas da emoção e tangê-las com habilidade, o espírito retornou ao palco de antigas lutas para defrontar-se com inimigos acirrados e vencê-los através da autodoação, enchendo a Terra de musicalidade superior.

Inquieto, todavia, fraquejando sem cessar Schumann deixou-se arrastar pela caudal da obsessão, conquanto fizesse incomparável legado, através do Lied e das nobres melodias para piano.

Oh! dor bendita e libertadora de escravo, discreta, amiga dos orgulhosos, irmã dos santos, mensageira da verdade, tantos necessitamos do teu concurso, que se nos afiguras um anjo caído,

a serviço da misericórdia para sustentar-nos na luta redentora!

Ensina-nos a descobrir a rota da humildade para avançarmos com acerto. A dor é mensageira da esperança que após a crucificação do Justo vem ensinando como se pode avançar com segurança.

Recebamo-la, pacientes, sejam quais forem as circunstâncias em que a defrontemos, nesta hora de significativas transformações para o nosso espírito em labor de sublimação.

O sofrimento de qualquer natureza, quando aceito com resignação e toda aflição atual possui as suas nascentes nos atos pretéritos do espírito rebelde, propicia renovação interior com amplas possibilidades de progresso, fator preponderante de felicidade.

A dor faculta o desgaste das imperfeições, propiciando o descobrimento dos valiosos recursos, inexauríveis, aliás, do ser.

Após a lapidação fulgura a gema.
Burilada a aresta ajusta-se a engrenagem.
Trabalhado, o metal converte-se em utilidade.
Sublimado pelo sofrimento reparador o espírito liberta-se.

"de tal modo brilhe a vossa luz diante dos homens, para
que eles vejam as vossas boas obras e glorifiquem o
vosso Pai que está nos Céus."Matheus 5.16”

Fonte: Capturei em um site espiritualista

Aniversário pad.Nel


A Igreja Rainha da Floresta , Manaus

Convida fardados, amigos e simpatizantes para hinário em homenagem aniversário pad. Nel.

Quando: dia 06 de setembro

Horário: 19:30

Farda:azul

Hinário: O Verbo Amar


Na ocasião será cantado parabéns também em homenagem ao Chico.

Viva os aniversariantes. Viva.

Convite p/ Encontro Céu do Mapiá


A comunidade Céu do Mapiá, através dos seus anciãos e anciãs, membros, moradores e simpatizantes, com o apoio as diversas instituições religiosas, caritativas e organizações sociais que trabalham no seu interior, estão promovendo o Encontro pela Unidade.

Nossa tradição religiosa professa a Doutrina do Santo Daime e incorpora em seu ideário o ecletismo espiritual, o ecumenismo e o diálogo inter-religioso. Portanto,desejamos neste encontro, unir toda a nossa família, juntamente com outras Tradições que queiram se juntar a esta iniciativa, para firmar uma corrente de meditação, cânticos e preces pela cura do nosso planeta e pela paz no mundo.

Estaremos unidos desde o coração da floresta amazônica, entre os dias 1 e 11 de novembro de 2011 com esta finalidade.

Acreditamos que toda a força e a energia que conseguiremos gerar e irradiar no nosso Encontro se somará àquelas geradas por milhões de buscadores espirituais em diversos rincões da Terra, unindo nossas vibrações e abrindo os portais da nossa consciência para o grande poder de transformação e purificação previsto a partir do ano de 2012.

Durante os dias do nosso Encontro, no aconchego da nossa mãe Terra- aqui representada pela Rainha da Floresta, padroeira da nossa Doutrina- esperamos receber as bençãos do Grande Espírito através dos nossos guias, mentores e mestres espirituais. Meditaremos, rezaremos e cantaremos para que eles guiem nossa compreensão e nossas visões para a construção deste novo tempo, nova vida, novo mundo e novo sistema que todos desejamos.

Consideramos que o EU- Encontro pela Unidade continuará pelo nosso Festival de Dezembro. Nesta medida, está havendo desde já uma grande mobilização de todos os setores da nossa comunidade para dar conta da sua organização. Esperamos com isto estar melhor preparados para acolher o afluxo de irmãos e peregrinos das demais linhas espirituais irmanadas conosco neste projeto e que continuarão nos visitando no decorrer de todo o ano de 2012.

Em breve estaremos disponibilizando mais informações para aqueles que desejem participar do evento e /ou apoiá-lo da forma que for possível.

Comissão Organizadora do Encontro.


Maiores informações no link:

Contato

Qualquer dúvida entre em contato conosco pelo nosso e-mail: contato@encontropelaunidade.com.br
Ou para tirar dúvidas sobre como chegar ao Mapiá utilize o e-mail da Floresta Viagens (contato@florestaviagens.com.br)
Tel:+ 55 (68) 3223-1411 / 8407-5328

Ensinamento deixado pelo Mestre Irineu

Dona Peregrina e o mestre Irineu Serra



O ensinamento abaixo foi pesquisado no mestreirineu.org/ foi escrito por Eduardo Bayer Neto a quem agradecemos por disponibilizar.
http://www.mestreirineu.org/percilia.htm

a quem agradecemos os pesquisadores que têm todo o trabalho de pesquisar, selecionar e divulgar, muitas vezes, sem o reconhecimento deste trabalho.


"LINHA DO TUCUM

Um chamado que é da linha do hinário, é o Tucum. Esse é um chamado também, o Tucum. Por exemplo: a pessoa está mal de vida, está mal assistida, e não está se sentindo bem. Pode fazer um trabalho com ele. Tucum é o nome de um caboclo. É uma entidade de muita força, de muito poder. Você reza três Pai Nosso até onde diz: Livrai-nos, Senhor, de todo o mal.

Aí, pede licença ao Mestre Juramidã para chamar o senhor Tucum. Chama três vezes, repete três vezes seguidas e fecha com a Salve Rainha. Depois dessa Salve Rainha, você faz os seus oferecimentos. Oferece ao Mestre e a sempre virgem Maria aquelas preces que foram rezadas naquele momento e ao senhor Tucum, para ele ajudar.

Se não é o senhor, é fulano, é cicrano ou beltrano, também o senhor peça em nome dessas pessoas que estão necessitadas para nas dar conforto, nos proteger e nos livrar de todo o mal para pudermos seguir na linha, livre de todas perturbações.

Aí, oferece também a um santo anjo da guarda de preferência, ao santo anjo da sua guarda, ao santo anjo da guarda daquele que também está perturbado, oferece as cincos chagas da sagrada morte e paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e a Nossa Senhora do Desterro, para que sejam desterrados todos males, todas as perseguições, perversidades e perturbações de toda natureza para a zona do mar sem fim, onde cristão nenhum habita.

Você faz este pedido, este oferecimento três vezes seguidas. Quarta, quinta e sexta ao pôr do sol. Aí, eu quero ver. Você sabia que, muitas vezes a pessoa está é perturbada e aperreada, sofrendo disso e daquilo. A doença não é material, é espiritual.

Entidades espirituais, malfazejos que ficam perturbando as criaturas. No hinário não se deve repetir esse hino, só se canta uma vez."

(Dona Peregrina em entrevista a Eduardo Bayer Neto)



segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Santa Missa



Hoje como acontece em toda primeira segunda feira do mês, teremos a Santa Missa na Rainha da Floresta.

Será realizada a missa do mês de agosto e a missa de sétimo dia de falecimento da mãe de Marcelo Vasconcelos.

A missa será às 20:30 horas.

Agradecemos desde já a presença de todos.






sábado, 2 de julho de 2011

Convite Trabalho

Santa Missa

Nesta segunda-feira dia 04 de julho.
18:00.

domingo, 26 de junho de 2011

Sejam Bem Vindos...Bem VIndas



"Quem procurar esta casa
Quem aqui nela chegar
Encontra com a Virgem Maria
Sua saúde Ela dá" (mestre Irineu)


Imagem: gaia, 2006

sábado, 25 de junho de 2011

São João, 2011











Momentos
Hinário de São João.
Ano de 2011.
Hinário: O cruzeiro, do Mestre Irineu
Farda:branca

Igreja Rainha da Floresta





A Igreja Rainha da Floresta esta localizada na Rua Caravelle, 27, no Bairro Tarumã, cidade de Manaus, AM, Amazônia, Brasil.
Presidente : Daniel Lapa


terça-feira, 21 de junho de 2011

São João

'Na noite de 23 para 24 acontece o Hinário dia de São João Batista. Uma homenagem ao precursor do cristianismo. A Voz que clama no deserto".

Veja o que dizem sobre ele:
"João Batista foi um pregador judeu, do início do século I, citado pelo historiador Flávio Josefo e os autores dos quatro Evangelhos da Bíblia.
Segundo a narração do Evangelho de São Lucas, João Baptista era filho do sacerdote Zacarias e Isabel (ou Elizabete), prima de Maria, mãe de Jesus. Foi profeta e considerado pelos cristãos como o precursor do prometido Messias, Jesus Cristo. Baptizou muitos judeus, incluindo Jesus, no rio Jordão, e introduziu o baptismo de gentios nos rituais de conversão judaicos, que mais tarde foram adoptados pelo cristianismo.

O batismo de Jesus

Pessoalmente para João, o batismo de Jesus terá sido o seu auge experiencial. João terá ficado admirado por Jesus se ter proposto para o baptismo. Esta experiência motivou a sua fé e o seu ministério adiante.

João batizava em Pela, quando Jesus se aproximou, na margem do rio Jordão. A síntese bíblica do acontecimento é resumida, mas denota alguns fatores fundamentais no sentimento da experiência de João. Nesta altura João encontrava-se no auge das suas pregações Teria já entre 25 a 30 discípulos e batizava judeus e gentios arrependidos. Neste tempo os judeus acreditavam que Deus castigava não só os iníquos, mas as suas gerações descendentes. Eles acreditavam que apenas um judeu poderia ser o culpado do castigo de toda a nação. O baptismo para muitos dos judeus não era o resultado de um arrependimento pessoal. O trabalho de João progredia.

Os relatos Bíblicos contam a história da voz que se ouviu, quando João batizou Jesus, dizendo “este é o Meu filho amado no qual ponho toda a minha complascência”. Refere que uma pomba esvoaçou sobre os dois personagens dentro do rio, e relacionam essa ave com uma manifestação do Espírito Santo. Este acontecimento sem qualquer repetição histórica tem servido por base a imensas doutrinas religiosas.

Prisão e morte

O aprisionamento de João ocorreu na Pereia, a mando do Rei Herodes Antipas I no 6º mês do ano 26 d.C.. Ele foi levado para a fortaleza de Macaeros (Maqueronte), onde foi mantido por dez meses até ao dia de sua morte. O motivo desse aprisionamento apontava para a liderança de uma revolução. Herodias, por intermédio de sua filha, conseguiu coagir o Rei na morte de João, e a sua cabeça foi-lhe entregue numa bandeja de prata e depois foi queimado em uma fogueira numa das festas palacianas de Herodes.

Outras religiões

Espiritismo (Allan Kardec)
Para os Espíritas Kardecistas é evidente que Elias Reencarnou como João Batista na passagem Bíblica: (S. Mateus 17: 10 a 13) (Apos a transfiguração.) E os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Por que dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas; Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem. Então entenderam os discípulos que lhes falara de João Batista.
Os discípulos de João trataram do sepultamento do seu corpo e de anunciar a sua morte ao seu primo Jesus.

Umbanda: Para os Umbandistas, no sincretismo religioso, São João refere-se ao Orixá Xangô"

Agradecemos a Rádio Toques de Aruanda pelo material.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

História da Ayahuasca (parte 1)





Profª Drª Ana Cecília Marques 1
Hamer Nastasy Palhares 2

A Ayahuasca é conhecida em diferentes culturas pelos seguintes nomes: yajé, caapi, natema, pindé, kahi, mihi, dápa, bejuco de oro, vine of gold, vine of the spirits, vine of the soul e a transliteração para a língua portuguesa resultou em hoasca. Também é conhecida amplamente no Brasil como "chá do Santo Daime" ou "vegetal". Na linguagem Quechua, aya significa espírito ou ancestral, e huasca significa vinho ou chá (Luna & Amaringo, 1991; Grob et al., 1996). Este nome, tanto se aplica à bebida preparada por meio da mistura da Banisteriopsis caapi e da Psichotria viridis, quanto à primeira das plantas. Apesar das variações acerca das plantas usadas, farmacologicamente, boa parte delas são similares. Nesta revisão, o termo ayahuasca será usado para designar a bebida resultante da decocção destas duas plantas combinação.

As diversas preparações geralmente contêm talos socados da Banisteriopsis caapi ou espécies correlatas mais as folhas da Psichotria viridis. As plantas adicionadas à Ayahuasca ajudam a maximizar as experiências de estimulação visual e as sensações de contato com forças e locais sobrenaturais e divinos. Os métodos de preparo variam conforme o grupo, como um chá quente ou amassando-se junto à água fria, deixando-se em descanso por aproximadamente 24 horas. É um processo longo que leva quase um dia para o preparo, o que torna a "tecnologia" de produção insuficiente para a produção de grandes quantidades (Karniol & Seibel, Parecer do Grupo de Trabalho, 1986).

História

As origens do uso da Ayahuasca na bacia Amazônica remontam à Pré-história. Não é possível afirmar quando tal prática teve origem, no entanto, há evidências arqueológicas através de potes, desenhos que levam a crer que o uso de plantas alucinógenas ocorra desde 2.000 a.C.
No século XVI, há relatos de que os espanhóis e portugueses, detentores das florestas do Novo Mundo, observaram a utilização de bebidas na cultura indígena e recriminaram-na:


Primeiro Bardo

Oh, amigo

O tempo caminha em direcção a ti para te levar a novos planos de realidade.

O teu ego e teu nome estão em jogo de acabar.

Estás pondo-te em frente da Luz Clara.

Tu estás experimentando esta realidade.

No estado de liberdade do ego onde todas as coisas são como um céu vazio sem nuvens.

E o intelecto nu e limpo é como um enxerto vazio.

Neste momento conhece por ti mesmo e habita neste estado.

O que é chamado morte do ego está vindo para ti.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Novo Tópico para Estudo

As plantas dos Orixás, Guias.

Estamos dando início a um novo estudo para compartilhar com todos os que seguem e os que nos visitam.
Começamos com o estudo das plantas de Ogum por ser ele o Orixá , Guia deste mês.
Ainda não postamos todas as imagens.

Sobre a Romã no endereço sitiodagaia-gaia.blogspot.com tem post sobre os benefícios o uso da Romã.

Bons estudos.
Aceitamos imagens e informações aqui e pelo e-mail dafloresta@gmail.com

Plantas da Linha de Ogum




As plantas de Ogum são regidas por Marte


losna-(arthemmísia-Absinto)

Quem já provou um chá de losna conhece a principal característica desta planta: o sabor amargo. E dizem que essa característica foi até citada num provérbio de Salomão que teria declarado: "a infidelidade, ainda que possa ser excitante e doce no seu início, costuma ter um fim amargo como a losna".


Na Grécia Antiga esta planta era dedicada à Ártemis, deusa da fecundidade e da caça. Daí a origem de seu nome científico. Popularmente, a losna também é conhecida como absinto, erva-do-fel, alenjo, erva-de-santa-margarida, sintro e erva-dos-vermes.

Losna-(arthemmísia-Absinto)


comigo-ninguém-pode,

Cuidado pois esta planta é tóxica aos animais, crianças e adultos.
romã (folhas),



espada de Ogum,


flecha de Ogum, erva de coelho, cinco folhas, macaé, erva de bicho
(folhas de Jurupitan) e jureba (folhas).




obs: mais tarde complementarei este estudo. E mais imagens.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Sabedoria, 1


1.Amai a justiça, vós que governais a terra, tende para com o Senhor sentimentos perfeitos, e procurai-o na simplicidade do coração,
2.porque ele é encontrado pelos que o não tentam, e se revela aos que não lhe recusam sua confiança;
3.com efeito, os pensamentos tortuosos afastam de Deus, e o seu poder, posto à prova, triunfa dos insensatos.
4.A Sabedoria não entrará na alma perversa, nem habitará no corpo sujeito ao pecado;
5.o Espírito Santo educador (das almas) fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos, e a iniqüidade que sobrevém o repelirá.
6.Sim, a Sabedoria é um espírito que ama os homens, mas não deixará sem castigo o blasfemador pelo crime de seus lábios, porque Deus lhe sonda os rins, penetra até o fundo de seu coração, e ouve as suas palavras.
7.Com efeito, o Espírito do Senhor enche o universo, e ele, que tem unidas todas as coisas, ouve toda voz.
8.Aquele que profere uma linguagem iníqua, não pode fugir dele, e a Justiça vingadora não o deixará escapar;
9.pois os próprios desígnios do ímpio serão cuidadosamente examinados; o som de suas palavras chegará até o Senhor, que lhe imporá o castigo pelos seus pecados.
10.É, com efeito, um ouvido cioso, que tudo ouve: nem a menor murmuração lhe passa despercebida.
11.Acautelai-vos, pois, de queixar-vos inutilmente, evitai que vossa língua se entregue à crítica, porque até mesmo uma palavra secreta não ficará sem castigo, e a boca que acusa com injustiça arrasta a alma à morte.
12.Não procureis a morte por uma vida desregrada, não sejais o próprio artífice de vossa perda.
13.Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não lhe dá alegria alguma.
14.Ele criou tudo para a existência, e as criaturas do mundo devem cooperar para a salvação. Nelas nenhum princípio é funesto, e a morte não é a rainha da terra,
15.porque a justiça é imortal.
16.Mas, (a morte), os ímpios a chamam com o gesto e a voz. Crendo-a amiga, consomem-se de desejos, e fazem aliança com ela; de fato, eles merecem ser sua presa.

Bíblia Ave Maria - Todos os direitos reservados

Fonte: http://www.bibliacatolica.com.br/01/27/1.php#ixzz1JItOnIuh

Livro da Sabedoria


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Livro da Sabedoria (ou Sabedoria de Salomão) é um dos livros deuterocanônicos da Bíblia.[1][2]

Possui 19 capítulos. É normalmente atribuído a Salomão, porém estudos indicam que foi escrito por

um judeu de Alexandria.

Segundo tais estudos, seu autor foi um judeu de Alexandria que escreveu o livro nos últimos

decênios do séc I AC, foi o último livro do Antigo Testamento a ser escrito, sendo, portanto,

fictícia a atribuição

a Salomão[3][4]..

Alexandria era um importante centro político e cultural grego, e contava com

cerca de 200.000 judeus

entre seus habitantes. A cultura grega, com suas filosofias, costumes e cultos religiosos,

além da hostilidade que,

às vezes,

incluía perseguição aberta, constituíam uma ameaça constante à fé e à cultura do povo judaico que

habitava

no Egito. Para não serem marginalizados da sociedade, muitos deixavam os costumes e até mesmo a fé,

perdendo a própria identidade para se conformar a uma sociedade idólatra e injusta[4].

O autor, profundamente alimentado pelas Escrituras e pela consciência histórica do seu povo,

enfrenta a situação, escrevendo um livro que procura de todos os modos reforçar a fé e ativar a esperança,

relembrando o patrimônio histórico-religioso dos antepassados. Ele ensina a verdadeira sabedoria que

conduz a uma vida justa e à felicidade. Não se trata da cultura que se conquista pelo pensamento,

mas da sabedoria que vem de Deus, opondo-se à idolatria e à vida injusta que nasce dela.

Esta sabedoria divina guiou magistralmente a história do povo de Deus, revelando que a verdadeira felicidade

pertence aos amigos de Deus. Em outras palavras, o autor quer mostrar que a sabedoria ou senso

de realização da vida não é apenas um fruto do esforço do homem, mas é em primeiro lugar um dom

que Deus concede gratuitamente aos seus aliados[4].

O livro todo poderia ser resumido em 1,15: A justiça é imortal. De fato, o autor identifica a sabedoria

com a justiça e, depois de mostrar que ela é o guia da vida (1,16-5,23) e apresentar a sua natureza (6,1-9,18),

faz uma longa meditação sobre o êxodo (10,1-19,21). No êxodo, Israel descobriu a justiça de Deus,

a qual comunica ao povo a verdadeira sabedoria. Doravante, toda sabedoria implica exercício da justiça,

e este, se for verdadeiro, produz a libertação[4].

O livro pode ser dividido em três grandes seções[5]:

  • O destino humano segundo Deus (caps. 1 a 5);
  • Elogio à Sabedoria (6:1-11:3);
  • Meditação sobre o Êxodo (11:4-19:22).

Referências

  1. Echegary, J. González et ali. A Bíblia e seu contexto (em português). 2 ed. São Paulo:
  2. Edições Ave Maria, 2000. 1133 p. 2 vol. ISBN 9788527603478
  3. Pearlman, Myer. Através da Bíblia: Livro por Livro (em português). 23 ed. São Paulo:
  4. Editora Vida, 2006. 439 p. ISBN 9788573671346
  5. Bíblia de Jerusalém, Nova Edição Revista e Ampliada, Ed. de 2002, 3ª Impressão (2004),
  6. Ed. Paulus, São Paulo, pp 1.103-1.104
  7. a b c d Sabedoria, Edição Pastoral da Bíblia, acessado em 08 de agosto de 2010
  8. Tradução Ecumênica da Bíblia, Ed. Loyola, São Paulo, 1994, pp 1.681-1.682

Comentário:

Este post na data de hoje - dia 13 de abril tem dois objetivos:
- Oportunizar a todos que aqui chegarem a leitura do Livro da Sabedoria que não consta em todas
as Bíblias Sagradas.
e, o segundo, difundir um ensinamento do Seu Manuel Nunes, ex-Presidente da Igreja daimista
Rainha da Floresta, Manaus.AM.
Seu Manuel lê todo o dia o Livro da Sabedoria. Tem retidão de vida, tem saúde, tem vigor,
tem discernimento.
Enfim, ele convive diariamente com a Sabedoria Divina, servindo de exemplo a todos que querem
chegar a um ponto
mais elevado no amor, no respeito às coisas divinas.
Deus, Deus e Deus. Que só exista Deus no Pensamento, nas palavras e nas ações.

domingo, 10 de abril de 2011

Defesa da Ayahuasca como Patrimonio Imaterial da Cultura Brasileira

yahuasca: Patrimônio da Humanidade

Perpétua Almeida - Blog do Altino Machado

link para o post original

Perpetua Almeida

A Amazônia Brasileira tem particularidades que só entende com mais precisão quem nela mora ou quem, como muitos, resolvem adotá-la em seu coração. Dizem os mais antigos que aqueles que entram na floresta, que se banham nos igarapés ou ouvem o som dos pássaros da mata não se esquecem jamais. Nisso eu acredito.

Nessa vasta diversidade cultural, que é influenciada pelos costumes indígenas e pelas crenças trazidas pelos que chegaram para morar na Amazônia, nasce uma religião tipicamente brasileira. Falo do daime, ayahuasca, chá, vegetal. Dentre outras, são estes os nomes dados à união de duas plantas oriundas da floresta que num processo de infusão das folhas da Psychotria Viridis – rainha ou chacrona (um arbusto) e da Banisteriopsis Caapi – mariri ou jagube (um cipó) surge um chá que é usado em rituais culturais e religiosos. Temos ainda que considerar o uso milenar pelos indígenas nos seus rituais específicos, que vêm dos povos pré-colombianos da América do Sul. Mas é no contexto urbano, há cerca de 40 anos, que a expansão chegou a diversas cidades brasileiras e até no exterior.

O Conselho Nacional Anti-Drogas, publicou em novembro de 2006 um relatório produzido por um grupo interdisciplinar onde se fizeram presentes representantes das três linhas originárias: O Alto Santo – criado pelo Mestre Raimundo Irineu Serra e aqui não abro um parêntese, mas meu coração para registrar o profundo respeito e carinho pela Madrinha Peregrina; a Barquinha – pelo Mestre Daniel Pereira Mattos, através do qual manifesto também a grande consideração por Francisco Araújo; e o Centro Espírita Beneficente União do Vegetal pelo Mestre José Gabriel da Costa, segmento com o qual tenho profundas ligações emocionais através dos meus padrinhos de batismo Sr. Gaim e dona Amaríades que pertencem a União do Vegetal, e, que foram fundamentais no meu processo de construção como ser humano ensinando-me através de seu exemplo a convivência pacífica, democrática e engrandecedora com outras religiões. Destas três linhas, a União do Vegetal se origina em Rondônia e as demais no Acre.

O relatório, de um órgão ligado diretamente à Presidência da República, reitera a liberdade do uso religioso da ayahuasca, considerando a inviolabilidade de consciência e de crença, além da garantia de proteção do Estado às manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, com base na Constituição Federal. Aponta ainda que a liberdade religiosa e o poder familiar devem servir à paz social, à qual se submete a autonomia individual.

Há ainda os que confundem a bebida com droga, por conta das reações percebidas por cada pessoa. Pesquisas científicas nas modalidades da farmacologia, pscicologia, antropologia, direito, química, dentre outras áreas acadêmicas, apontam para a comprovação que o governo brasileiro já publicou: o chá não é droga.

Os adeptos desse sincretismo religioso somam milhares e milhares de famílias. Ligados umbilicalmente à preservação da natureza, porque dela precisam para o plantio do cipó e da folha, esses cidadãos contribuem para a busca de uma sociedade mais justa e pacífica, com respeito à legislação nacional.

Na Amazônia, com mais intensidade no sul do estado do Amazonas, nos estados do Acre e Rondônia o uso em rituais religiosos é comum e conhecido na sociedade. Faz parte da cultura, da vivência de homens e mulheres que convivem com a floresta.

No início de 2007 fizemos uma primeira reunião com um grupo de pessoas, com a proposta de garantir que o uso religioso do chá fosse reconhecido como patrimônio imaterial da cultura brasileira.

Estudamos, pesquisamos, pedimos auxílio. Não tivemos pressa, mas também não esmorecemos. Preferimos não dar publicidade na mídia, porque essa não é uma bandeira política, é uma questão de reconhecimento e reflexão. Coloquei meu mandato à disposição e estamos chegando a um momento importante. Conseguimos excelentes contribuições de vários intelectuais, entre eles, Jair Facundes, Toinho Alves, Edson Lodi e do historiador Marcus Vinícius e toda a equipe da Fundação Garibaldi Brasil.

A atual legislação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional prevê que o reconhecimento deve ser dado à uma prática, uma representação social, à conhecimentos e técnicas que as comunidades ou grupos reconhecem como parte integrante da cultura, que seja transmitido de geração em geração e tenha sua interação com a natureza. Chegamos a conclusões e começamos a dar os encaminhamentos.

Estávamos marcando uma ida para Brasília, para fazermos no Ministério da Cultura, no IPHAN e no Congresso Nacional um grande ato. Mas os mistérios e as oportunidades se apresentam, como se orquestradas por um Grande Maestro. Nada mais importante e sublime que a simplicidade da nossa terra, dos nossos ares. Chegou a oportunidade.

O ministro Giberto Gil vem no Acre amanhã. Além de cumprir uma importante agenda com o nosso governador Binho Marques, conseguimos um espaço pra que ele receba um documento assinado pelos representantes das três linhas originárias. Um documento simples, sem pretensões acadêmicas, mas que traz no seu seio algo sublime e bonito de se ver: que o governo brasileiro reconheça essa cultura, essa manifestação religiosa que tem na sua matriz a floresta amazônica.

◙ Perpétua Almeida (PC do B) é deputado pelo PC do B. Ela e entidades entregarão ao ministro Gilberto Gil, em solenidade no Centro de Iluminação Cristã Luz Universal – Alto Santo, um documento que solicita o reconhecimento pelo governo brasileiro.

Compartilhe:
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • MySpace
  • TwitThis
  • email
  • LinkedIn
Reproduzido conforme o original, com informações e opiniões de responsabilidade do veículo.